Páginas

terça-feira, 20 de abril de 2010

Emburrei

Vivo o dia a dia do Goiás há 15 anos, em estádios, treinos, viagens, concentrações e apresentação de jogadores, e confesso, só nos últimos 4 anos é que passei a conhecer o polêmico Edminho Pinheiro. Sempre ouvia falar dessa figura ilustre, mas nunca tinha o visto em nenhum dos lugares onde eu estava com o Goiás.

Perto de eleições, de vez em quando, vinha a notícia de que o Edminho poderia assumir o Goiás. Até o entrevistei por telefone, confesso que ele me imprssionou de início, era uma pessoa que falava que tudo estava errado e que tinha idéias modernas para administrar o Goiás. Mas falar é uma coisa, fazer é outra.

Na gestão Ediminho se destaca a perseguição desenfreada ao ex-presidente Raimundo Queiroz, as chatas e intermináveis entrevistas quase que diárias a apenas um veículo de comunicação, os déficits mensais intermináveis, a administração autoritária, contratações erradas e disputas de rebaixamento.

Mesmo sem ter sido presidente Ediminho mandou no Goiás, principalmente na época de Pedro Goulart. E quando o Dr. Syd resolveu não ser mais uma marionete, e diante de 8 meses de resultados ruins tomou uma atitude certa e coerente de demitir o diretor de futebol Marcos Figueiredo, aí Ediminho emburrou e disse que de dirigente ele não vai brincar mais.

Não deixará saudades.

2 comentários:

  1. Parabéns, André.
    Seus comentários parciais são sem dúvida os melhores da crônica esportiva goiana. Porém, não se empolgue, pois isso não é muito difícil. Tem uns casais por aí e uns comentaristas da era mesozóica que ofendem a inteligência de quem os acompanha.
    Perto ou longe, bem ou mal, estarei sempre acompanhando o Verdão, e seria muito bacana se voce mantivesse essa postura.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Vitorino, Bem ou mal defendo que cada comentarista tem que falar o que pensa, tem que ser coerente com seus princípios, mesmo que isso venha a colocar ele com alguma indisposição com torcida, jogador ou dirigente. E a sequencia destes atos faz com que o tempo dê ao analista o que de mais precioso ele busca: a credibilidade.

    ResponderExcluir