Páginas

terça-feira, 24 de abril de 2012

Polêmica: fisiterapeuta do Atlético trata de jogadores do Vila

A ida de jogadores do Vila Nova à clínica do fisioterapeuta Robson Porto foi a polêmica do dia no futebol goiano.

Conheço Robson a mais de 15 anos. De autodidata a formado, sempre dedicado, determinado e um profundo conhecedor do que faz.

Já presenciei Robson investindo seus limitados rendimentos em livros e equipamentos. Desde o inicio, suas técnicas e obstinação o fizeram preferido de grandes jogadores.

Aloísio, Alex Dias e Fernandão até pagavam passagens para que Robson os tratassem na Europa.

Jogadores dos mais variados times de Goiânia sempre o procuravam e ainda procuram onde quer que ele esteja.

O problema, que gera polêmica em Goiás, é que as pessoas por aqui acham que os jogadores devem se tratar exclusivamente nos clubes.

Alex Dias, quando teve uma ruptura muscular, veio para Goiânia tratar, com conhecimento do Vasco e nunca teve polêmica em torno disso.

Ronaldo, Romário e outros sempre tiveram seu fisioterapeuta particular.

Só em Goiânia, por pura vaidade, não pode.

O atacante Patric, o volante Luis Marques, o meia Rondinelly e o lateral-direito Jonh Lennon foram até a clínica do fisioterapeuta do Atlético pelo conselheiro Misael Oliveira.

Robson presta serviço no Dragão no período da manhã e depois, no restante do dia, pode atender quem quiser na sua clínica.

Patric estava praticamente vetado para o primeiro jogo, fez duas sessões de tratamento com Robson e teve condições de jogo.

Milagre? Infiltração? Não, foi apenas trabalho complementar ao tratamento do clube. Não precisava de histeria.

Robson, mesmo com a contribuição no tratamento, deu todos os méritos ao departamento médico do Vila Nova.

Já o Vila fez questão de detonar o rapaz, o acusaram até de ter feito infiltração no joelho operado de Luís Marques. Coisa que eu duvido que tenha acontecido. Pelo pouco que conheço Robson não usa esses métodos.

Se usasse o artifício de infiltrações, jamais trabalharia no Atlético.

Essas declarações soaram mais como despeito.

O Vila passou um "recibo" sem necessidade. Poderia ter resolvido internamente um problema que gerou um desgaste muito grande em uma semana decisiva.

O Goiás já cometeu o mesmo erro em outras oportunidades.

Jogador, na hora da folga, da porta pra fora, faz o que quiser da vida, pode até se tratar. Se eles tivessem procurado um amador, aí tudo tudo bem. Mas todos sabem, inclusive os médicos, que Robson é um grande profissional.

2 comentários:

  1. Mas o que tem demais? Já que os profissionais do vila não dão conta, os jogadores tem de procurar um profissional de verdade.

    ResponderExcluir
  2. Thiago do Nascimento26 de abril de 2012 14:31

    A diretoria devia agradecer ao Robson Porto por ter atendido seus atletas.

    ResponderExcluir