Páginas

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Palmeiras demite Felipão

Felipão e Murtosa estão fora

Nem o mais amado técnico da história recente do Palmeiras resistiu à ameaça de retorno à Série B. Campeão da Copa do Brasil há dois meses, o técnico Luiz Felipe Scolari foi demitido do cargo nesta quinta-feira. O treinador, que tinha contrato apenas até o fim do ano, sai deixando a equipe na zona de rebaixamento do Brasileirão, a sete pontos do primeiro time fora do grupo dos quatro últimos.

Em nota, o Palmeiras afirmou que "em reunião realizada na tarde desta quinta-feira entre presidência, diretoria de futebol e comissão técnica do Palmeiras, ficou decidido em comum acordo o encerramento do contrato de trabalho entre o técnico Luiz Felipe Scolari e o clube. Junto com Felipão, o auxiliar técnico Flávio Murtosa também deixa o clube", escreve o comunicado, que trata Scolari como "um maiores comandantes que o clube já teve em toda a sua história."
Esta era a segunda passagem de Felipão pelo Palmeiras. A primeira, que começou em 1997, rendeu os títulos da Copa do Brasil e da Copa Mercosul de 1998, da Libertadores de 1999, além dos vice-campeonatos Brasileiro (1997) e da Libertadores (2000). A parceria chegou ao fim em meados de 2000, quando o treinador acertou sua ida para o Cruzeiro. O auxiliar Murtosa ficou mais um pouco e levou o time ao título da Copa dos Campeões daquele ano.

Depois de passar, entre outros, pelas seleções do Brasil e Portugal e ficar quase uma década sem treinar clubes brasileiros, o treinador voltou ao Palmeiras como ídolo, após a Copa de 2010. Tinha a confiança de jogadores, torcida e dirigentes. Mas a falta de resultados fez Felipão entrar em conflito com boa parte daqueles que antes o apoiavam.
A alta multa rescisória, porém, não permitia nem que Felipão pedisse demissão, nem que a diretoria tomasse essa atitude. E o treinador foi ficando e, ao seu estilo, reconquistando jogadores, torcedores e até os dirigentes. Com um grupo relativamente barato e sem muitas peças de reposição, ele deu um voto de confiança para o seu elenco e acabou recompensado com o título da Copa do Brasil, em julho deste ano.

Com contrato apenas até o fim do ano, o treinador voltou a ter o seu passe valorizado depois do seu quarto título de Copa do Brasil. Mas ele deixava claro que sua permanência no clube não era certa, apesar da classificação para a Libertadores. Parte dos torcedores cobrava uma decisão rápida, preferindo que um possível novo treinador tivesse a possibilidade de montar o elenco para a competição continental.
O que os palmeirenses não imaginavam é que, antes da Libertadores, fossem ter que brigar para não cair no Brasileirão. Enquanto o time jogava a Copa do Brasil, as derrotas no Brasileiro, com o time reserva, pareciam normais. Mas quando a equipe foi ficando completa e as vitórias não vieram, a luz vermelha foi acesa. Nos últimos oito jogos, foram seis derrotas, um empate e apenas uma vitória, sobre o Sport, outro time da zona de rebaixamento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário