Páginas

quinta-feira, 27 de junho de 2013

5 de julho, manifestação contra a impunidade.

Marcado para o dia 5, protesto vai contar com familiares do cronista esportivo e de outras vítimas de crimes violentos, como do advogado David Sebba

Na sexta-feira, 5 de julho, completa um ano do assassinato do cronista esportivo Valério Luiz. Para lembrar a data e pedir justiça, familiares e amigos do radialista organizam uma manifestação na Praça Cívica, a partir das 8h30. São aguardadas cerca de mil pessoas que irão se reunir no Coreto da Praça e juntas caminharão pelo centro da Capital, vestidas com uma camisa branca com a logomarca do Instituto Valério Luiz, associação criada para defender a liberdade de imprensa e os direitos humanos, como também, fiscalizar a punição dos culpados do assassinato. Durante a caminhada, cidadãos vítimas de violência e impunidade vão ainda compartilhar depoimentos.

A intenção da manifestação, além de lembrar a data, é cobrar a justiça goiana, já que quatro dos cinco acusados de terem participado do assassinato de Valério Luiz aguardam julgamento em liberdade. Entre eles, o ex-presidente do Atlético Clube Goianiense e cartorário Maurício Sampaio, que, segundo inquérito da Polícia Civil, seria o mandante do crime, por discordar das críticas do cronista à diretoria do clube goiano.

Além de pessoas ligadas a Valério Luiz, familiares de outras vítimas de crimes violentos vão participar da manifestação, como os pais e a viúva do advogado David Sebba, assassinado também no dia 5 de julho de 2012 por policiais militares, segundo investigação realizada pela Polícia Civil. Devem comparecer também familiares do bacharel em Direito Pedro Henrique Queiroz, assassinado durante abordagem policial em 2008, da publicitária Pollyana Arruda, assassinada em 2009, do ex-vice-prefeito de Anicuns, Paulo Alexandre de Almeida Brito, assassinado em 1998, e do jovem Felipe Feitoza, atingido por um tiro na cabeça após sair de um shopping de Goiânia, em julho de 2009.

O evento tem sido divulgado pelas redes sociais. No facebook, a família do cronista esportivo convida a população goiana para “ajudar a cobrar a condenação dos acusados de matar Valério Luiz” e a “protestar contra o Poder Judiciário que protege os poderosos e deixa desamparados os cidadãos comuns”.

Caso Valério

O cronista esportivo Valério Luiz foi assassinado no dia 5 de julho de 2012, ao sair da Rádio Jornal 820, hoje Rádio Bandeirantes, onde trabalhava. Cinco pessoas foram indiciadas pelo crime.

Depois de oito meses de investigações, a Polícia Civil concluiu que o empresário Maurício Sampaio é o mandante. Já Urbano de Carvalho Malta e Djalma da Silva organizaram o assassinato com o apoio de Marcus Vinícius. Ainda segundo o inquérito, Ademá Figueiredo foi o executor do radialista.

Entre os acusados, apenas Figueiredo segue preso, por causa de outro crime, a Chacina do Jardim Olímpico. Dois dias de audiências de instrução aconteceram em maio, mas a terceira audiência foi adiada por duas vezes a pedido da defesa e remarcada para agosto.

Fonte: Instituto Valério Luiz

Nenhum comentário:

Postar um comentário