quinta-feira, 11 de julho de 2013

Os motivos da saída de Márcio Bittencourt

Presidente Joaz Abrantes explicou a situação
O motivo da saída do técnico Márcio Bittencourt foi a divergência de idéias em relação às prioridades do Vila Nova no futebol.

A diretoria pediu para que o treinador prestigiasse a base.

O técnico estava intransigente, não acreditava nos pratas da casa e queria contratações.

Márcio Bittencourt aparentava desafiar as intenções dos dirigentes. A não escalação do atacante Gustavo contra o Mogi, para a entrada do zagueiro Álisson, que estava com dores musculares, pareceu provocação.

O treinador também não teria manifestado a intenção de aproveitar o volante Arthur no lugar de Alexandre Carioca no próximo jogo. Preferia o Álisson improvisado.

Quando foi contratado por Hugo Jorge Bravo, Márcio havia aceitado o planejamento de aproveitar jogadores da casa.

Ficou muito radical de uma hora para outra. O que dá a entender é que Márcio queria sair.

Treinador não pode ajeitar ingerência em escalação, mas entendo que o dirigente pode fazer sugestões. Escalações podem ser discutidas sim e o técnico deve entender as prioridades do clube que o contrata.

Com essa postura Márcio não vai longe nessa carreira.

Não vai fazer falta.

O Vila vai dispensar alguns jogadores e só vai contratar se os da casa não derem conta.

Hermógenes Neto assume interinamente o time.

domingo, 7 de julho de 2013

ABC: Melhores momentos X Atlético: 3 pontos

Não foi uma grande partida, mas o Atlético foi mais competente e venceu.

Limitado tecnicamente, o ABC teve mais chances, maior posse de bola. O time da casa teve os melhores momentos e o visitante  os três pontos.

O Atlético se destacou defensivamente, onde o goleiro Márcio e o volante Marino foram os melhores.

O Dragão teve uma expulsão polêmica.

O árbitro Cláudio Francisco Lima deu um cartão amarelo para o zagueiro Arthur no início do jogo, depois de uma falta cometida por Diego Giaretta.

Aos 32 minutos, o mesmo Artur cometeu uma falta na entrada da área, e de forma justa recebeu o cartão amarelo. Somando ao primeiro cartão o resultado foi a expulsão.

Aí o Giaretta reclamou, "lembra daquele cartão professor?", "Era pra mim!", pois é, aí já era, mesmo se fosse, pela regra, o árbitro não poderia reformar a decisão, mesmo que gritantemente errada, depois da bola ser reposta em jogo.

Ocorre que o árbitro justificou o primeiro cartão como reclamação do zagueiro Arthur. Vale lembrar que Giaretta, no momento do primeiro lance, não reivindicou para si o amarelo.

Por dedução, acredito em erro do árbitro no primeiro cartão, pois Arthur não é um jogador que tem o comportamento de reclamar de arbitragem.

No segundo tempo, em meio à uma pressão do ABC, com defesas importantes do goleiro Márcio com direito até a bola travessão, o Dragão, em um dos raros ataques, Ernandes mandou uma bola na trave e Ricardo Jesus marcou no rebote, quebrando o jejum de gols.

1 a 0.

A vitória foi importante, mas há muito, muito mesmo, a melhorar.

Com o resultado, o Atlético chegou aos dez pontos e subiu para a nona colocação. O ABC termina a rodada na lanterna, com apenas dois pontos, em sete partidas disputadas.

O Atlético-GO volta a na próxima sexta-feira, contra o Figueirense, às 21 horas, no estádio Serra Dourada, na terça-feira, o Dragão joga pela Copa do Brasil, contra o Cruzeiro, no Independência, em Belo Horizonte, às 21h30. O ABC joga na próxima rodada da Série B contra o Palmeiras, sexta, às 21 horas, no Pacaembu.

Vila Nova: Invenção na escalação, pênalti perdido e derrota.

O Vila Nova perdeu para o Mogi Mirim por 1 a 0 pela Série C. Poderia ter empatado se o atacante Frontini não tivesse desperdiçado um pênalti.

O atacante colorado assumiu a culpa pela derrota.

Mas essa pode ser debitada na conta do treinador.

Márcio Bittencourt preparou o time com o atacante Gustavinho no lugar de Marco Aurélio que está machucado.

Mas a escalação apareceu com o zagueiro Alisson, recém-contratado que jogou poucas partidas esse ano pelo Ituano.

Com Frontini isolado no ataque o Vila não levava perigo, tomou o gol no primeiro tempo e o goleiro Marcelo Pitol era o jogador que mais se destacava, evitando mais gols.

No segundo tempo, o técnico Márcio Bittencourt colocou o jogador que ele dizia não confiar, Gustavinho entrou no lugar de Alisson.

Com pouco tempo em campo o garoto sofreu pênalti, Frontini bateu e o goleiro Alex Alves do Mogi defendeu.

O Vila perdeu o jogo e saiu do G4.

O erro na escalação foi gritante, o Vila treina um mês com uma formação tática e treinador inventa na hora do jogo. Poderia ter perdido com Gustavinho como titular, mas pelo menos teria sido coerente e o jogo mostrou que ele estava errado.

O treinador, teimosamente, disse que a entrada de Alisson melhorou o time e ao mesmo tempo ressaltou que o melhor ataque que o Vila fez no jogo foi com Gustavinho. Como assim?

Com a vitória, o Mogi Mirim foi a seis pontos e pula para a terceira posição no grupo B. Já o Vila Nova com quatro pontos e caiu para a sexta colocação

Pela quarta rodada, o Vila Nova enfrenta o Crac, no próximo sábado, às 19 horas, no estádio Serra Dourada, em Goiânia. O Mogi Mirim joga no domingo (14), contra o Caxias, no Centenário, às 16 horas.