quarta-feira, 24 de julho de 2013

Projeto para salvar clubes das Séries B, C e D

Os clubes de futebol que disputam as séries B, C e D – equivalentes, respectivamente, a 2ª, 3ª e 4ª divisão do Campeonato Brasileiro organizado pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) – podem passar a receber mais recursos da Caixa Econômica Federal. Esse é o objetivo de projeto de lei apresentado pelo senador Anibal Diniz (PT-AC). O projeto (PLS 301/2013), que será examinado inicialmente pelas comissões de Educação, Cultura e Esporte (CE) e de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, propõe que sejam destinados 3% de toda a arrecadação das loterias administradas pela CEF para essas equipes. Desse total, o parlamentar sugere que 1,2% seja distribuído em partes iguais para os times da série B; 1% para os da série C e o restante, 0,8%, para os da série D.

Os clubes da Série A não seriam incluídos nesse novo repasse. Anibal Diniz ressalta que a crise econômico-financeira que atinge quase todos os clubes do país é ainda mais crítica quando observada a situação das equipes que não fazem parte da elite do esporte.  Ele ressalta que 65% da renda do mercado brasileiro de futebol, estimada em R$ 3 bilhões ao ano, já está concentrada em apenas 10 dos grandes clubes.

Para Aníbal Diniz, a medida significaria um alívio financeiro para os clubes.“Apesar de parecer baixo o percentual proposto, rateado entre cerca de 80 clubes das séries B, C e D, não resta dúvidas de que a proposta significará um alívio financeiro e evitará que muitos deles entrem em situação de falência”, justifica o senador.

Estimativa
Se já se aplicassem as regras propostas, levando-se em consideração a arrecadação das loterias da Caixa Econômica Federal registrada em 2012 - R$ 10.490.068.380,98 - teriam sido distribuídos mais de R$ 125 milhões por ano para os 20 clubes da Série B, o que representaria mais de R$ 6 milhões por ano nos caixas de cada equipe. Para a Série C, esse valor seria de mais de R$ 100 milhões, cerca de R$ 500 mil por mês para cada um dos 20 clubes. Mesmo para a Série D, com 40 equipes, o total teria sido de quase R$ 83 milhões por ano, que distribuídos igualmente para cada time, representaria um reforço de R$ 200 mil por mês aos seus cofres. “Esses valores são muito superiores ao que muitas dessas equipes pequenas arrecadam num semestre” – argumenta Aníbal.

Timemania
Atualmente, 80 equipes das quatro divisões do campeonato organizado pela CBF contam com recursos de uma loteria específica, a Timemania. Instituída pela Lei 11.345/2006 e regulamentada pelo Decreto 6187/2007, a loteria tem como objetivo ajudar os principais clubes brasileiros a pagar os débitos fiscais com a União (INSS, FGTS, Receita Tributária, Receita Previdenciária e Procuradoria Geral da Fazenda Nacional).

Obs.: Atualmente, 1,7 % da arrecadação vai para o Comitê Olímpico Brasileiro e 0,3 para o comitê Paraolímpico.

Opinião:

Investir no esporte é importante, apesar de existir outras prioridades no Brasil.

Que nesta fase de emandas ao projeto, que se regulamente para que os clubes prestem contas do dinheiro arrecadado para que seja a salvação do clube e não para as contas bancárias de dirigentes.

terça-feira, 23 de julho de 2013

João Bosco está certo

Desabafo do presidente do Goiás no Twitter

O presidente do Goiás, João Bosco Luz, demonstra publicamente o fraco comparecimento da torcida esmeraldina no Brasileirão.

O atacante Walter também fez essa reclamação depois do jogo contra a Portuguesa.

E eles tem razão?

No lugar deles possivelmente diríamos o mesmo.

O presidente resolveu cancelar a medida que havia sido tomada pelo clube anteriormente, de dividir o estádio com uma parte maior para a torcida esmeraldina.

Os números mostram que essa é a decisão mais sensata a se tomar.

A média de público do Goiás é de 11541 pagantes.

A média de ocupação em relação à capacidade do estádio é de 23%.

Como reservar, diante desses números, mais de 50% do estádio à torcida nos jogos de grande porte?

Não dá para entender por que nos jogos de uma torcida só, no ano passado, pela Série B, a torcida comparecia mais do que hoje.

Não dá pra entender por que o Criciúma tem melhor média de publico que o Goiás e 61% de ocupação no seu estádio.

E o pobre coitado do Náutico? mais de 14 mil torcedores de média.

Não dá para entender o motivo da torcida não esgotar os 5 mil ingressos por jogo pela nota Show de Bola.

E se preferem não trocar nota, também não dá para entender. Os ingressos do Goiás são baratos. Para quem vai com a camisa do clube a arquibancada sai a 20 e a cadeira a 40.

É preço de Série B, de Série C.

Já ficou provado, inúmeras vezes, que a torcida no estádio faz a diferença, ajuda o time, os exemplos estão na Série B do ano passado.

O Goiás é bicampeão Goiano, está na quarta fase da Copa do Brasil e faz uma campanha em ascensão no Brasileiro.

Esse time precisa da torcida.

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Um dia de boas notícias no Vila Nova

Problema resolvido.

A presença de público, para o jogo Vila Nova X Betim, domingo, pela manhã, estaria comprometida por causa do Feirão de Automóveis e pela Corrida das Cores.

O Vila fez o pedido, a Federação Goiana de Futebol argumentou e a CBF aceitou a mudança.

O regulamento prevê que as mudanças só podem acontecer com 10 dias de antecedência, salvo em casos especiais, e esse era o caso.

Era uma questão inclusive de segurança.

O jogo agora será às 4 da tarde.

E as boas notícias não param por aí:

Serão disponibilizados 15 mil ingressos pela promoção da nota fiscal.

A torcida do Vila, que aproveita 100% a promoção, consumindo todos os 7 mil ingressos disponibilizados nos jogos anteriores, ganha mais esse incentivo.

Com a promoção da nota o ingresso sai praticamente de graça. Cada bilhete é retirado em troca de um quilo de alimento não perecível e uma nota fiscal de 200 reais.

E quem não conseguir trocar não terá desculpas, os ingressos que seriam R$ 50 para arquibancadas e R$ 100 o de cadeiras, tiveram a redução do preço para 40,00 e 60,00. Com a camisa do Vila o torcedor pagará meia.

Está de parabéns a diretoria do Vila.

Pode ser difícil administrar um time futebol, mas se as ações forem tomadas pensando nos torcedores é mais de meio caminho andado.

Cavalinho

E para fechar o dia, uma vitória do Vila Nova na Justiça Trabalhista. O técnico Robélio Schneiger, reivindicava na justiça 1 milhão e 250 mil reais de multa pela sua demissão em 2012. O departamento jurídico conseguiu comprovar que o contrato com a multa milhonária, apresentado pelo treinador, não tinha validade.

A justiça determinou que o Vila pague apenas as verbas trabalhistas rescisórias e uma multa de R$10 mil pela rescisão do contrato.

No ano passado chegou a ser oferecido um acordo de 15 mil reais, recusado pelo técnico.

Ainda cabe recurso, mas vai ser difícil reverter a situação.

Robélio caiu do cavalinho.

domingo, 21 de julho de 2013

Vila Nova X Betim: problemas a vista

O Vila Nova pediu e a CBF aceitou.

O jogo contra o Betim será às 10 da manha do próximo domingo, dia 28.

Mas existem dois problemas que podem prejudicar a chegada do público nesse jogo.

Além do Feirão de carros no lado norte do estacionamento haverá um evento chamado "Corrida da Cores".

O Evento, que começará às 9 da manhã, interditará algumas ruas em torno do estádio conforme o mapa:


Dá para notar que ainda utilizarão parte do estacionamento para criar a "Arena das Cores".

Pois é... em um jogo que há a previsão de até 20 mil pagantes, o torcedor pode não conseguir estacionar e nem chegar perto do estádio.

Se a diretoria do Vila Nova quiser ver o estádio colorido de vermelho é hora de "se virar nos 30" e buscar uma solução para a confusão que está por vir.

Atlético vence fora de casa e se reabilita na Série B

Uma vitória apertada, convincente, com um golaço de letra, com um a menos em quase todo segundo tempo.

O resultado foi importante. Dará tranquilidade depois de momentos tensos que o time passou nos últimos dias.

O Atlético-GO se reabilitou na Série B ao vencer o ASA, por 1 a 0, em Arapiraca-AL.

Foi a segunda vitória do Atlético fora de casa nesta Série B.

Com a vitória, o Atlético chegou aos 13 pontos e pulou para a nona colocação. Já o ASA segue na zona de rebaixamento, com sete pontos e ocupando a 18ª posição.

Depois de tomar um sufoco nos primeiros minutos do jogo, o Dragão cresceu na partida e conseguiu marcar aos 33 minutos com o zagueiro Diego Giaretta.

Aos 8 do segundo tempo, Mahatma Gandhi foi expulso depois de colocar a mão na bola quando já tinha cartão amarelo.

O restante do jogo foi de pressão do ASA, o time suportou bem defensivamente.

Na próxima rodada, o Atlético-GO joga na sexta-feira contra o América-RN, no Serra Dourada, em Goiânia, às 21 horas.