sábado, 7 de dezembro de 2013

Dragão diferente em 2014

O Atlético Goianiense promete um 2014 diferente dos últimos dois anos.

Os dirigentes não querem cometer os mesmos erros do passado.

O diretor de futebol Adson Batista disse que não pretende ficar repatriando jogadores e técnicos.

Atitude acertada.

Criatividade e critério nas contratações, pé no chão, planejamento e a reconstrução do Estádio Antônio Acciolly são as prioridades em 2014.

A prova da mudança de atitude foi a contratação do treinador.

Marcelo Martelotte, técnico promissor, vai comandar o Dragão no ano que vem.

Boa contratação. Só de sair daquelas "figurinhas carimbadas" já é um avanço.

Que continuem assim.

Bom também será que o Atlético faça um "limpa". Que agradeçam aqueles jogadores que deram o que tinham que dar e principalmente alguns que o Clube teve dificuldades de pagar ao longo de 2013.

É vida nova.

E a permanência de Valdivino de Oliveira e Jovair Arantes traz mais segurança para 2014.

Novo treinador: 

Marcelo Martelotte foi um goleiro eficiente, as boas participações no Bragantino lhe renderam um contrato com o Santos em 1997. Marcelo ainda se destacou no Santa Cruz e no Sport.

Após encerrar a carreira de jogador, em 2002, pelo Taubaté, clube que o revelou, Martelotte iniciou a carreira de técnico. Em 2004, treinando o Sub 20 do Palmeiras, foi campeão paulista.

Como auxiliar tecnico/interino, Marcelo chegou a dirigir interinamente o time profissional do Santos em 28 partidas entre 2010 e 2012.

Em 2013 chegou ao Santa Cruz conquistou o tri-campeonato estadual do clube. Na sequência, Martelotte se transferiu para o rival Sport, e em de setembro assumiu o já rebaixado Náutico.

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Walter quer ficar

Walter, além de bom jogador, é humilde e sincero.

No domingo passado em Porto Alegre, ao ser perguntado sobre um provável interesse do Corinthians, ele disse que se sentiria honrado até se apenas esse interesse fosse um boato.

Isso provocou a ira de alguns torcedores esmeraldinos.

Walter falou o que qualquer jogador do Goiás sentiria, mas que talvez não adimitiria.

O atacante esmeraldino não fez o discurso "politicamente correto".

Essa é a realidade de qualquer profissão. Receber uma proposta, ou despertar o interesse de uma empresa maior traz satisfação para qualquer profissional.

O que importa é que o jogador esclareceu nesta quarta-feira que é o Goiás que está nos seus planos para 2014. Ele está falando a verdade.

Garantiu que sua pedida salarial será dentro das possibilidades do clube.

Mas não depende só do Goiás e do Walter.

No meio do caminho tem o Porto/POR, que pagou 4 milhões de Euros na sua contratação.

No meio do ano, na janela de transferências, os portugueses queriam vendê-lo e ele não quis ir.

A proposta salarial era bem maior que a do Goiás.

Walter entendeu que para a sua carreira era melhor ficar. Fez a aposta certa.

A renovação não será fácil, mas dentro das possibilidades vale a pena o sacrifício do Goiás. Talvez até se colocar algum jogador no negócio.

Obs.: Na foto Walter recebe das mãos do deputado Marlúcio Pereira a medalha Pedro Ludovico Teixeira, a maior honraria do Estado de Goiás. Homenagem merecida para uma pessoa que já demonstrou muito carinho pelo estado.

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Tentando entender a contratação de Wando

Vila contrata o atacante Wando.

Nessa me surpreenderam mesmo.

O jogador, aos 33 anos, tem uma história bonita no clube. Com exceção da última participação, em 2011, quando fez 26 jogos e não marcou nenhum gol.

Wando, recentemente, estava no Águia de Marabá, onde era reserva, jogou apenas 4 partidas e também não fez gols na Série C.

Não existe hoje uma explicação convincente para essa contratação.

O acordo será por produtividade. O chamado "contrato de risco".

Pois é, mas chega de se arriscar né Vila Nova?

Não renovar com Frontini e contratar Wando não é coerente.

Essa contratação me faz imaginar que Niltinho Ferreira não aprendeu com os erros do passado.

Economizar no goiano para reforçar na Série B não vai dar certo. Quando chegar o Brasileiro vão falar que não tem jogador bom no mercado. E será "lesma lerda" de sempre.

Talvez possam justificar que é pela falta de receita nos próximos meses. Mas se estão querendo continuar (não estão lá obrigados) eles tem que se virar.

O Vila precisa de um planejamento arrojado, pois senão voltará à Série C em 2015.

Vem aí as eleições no clube no dia 9.

A contratação de Wando não é boa para a situação. Pegou muito mal com a torcida e conselheiros. A imprensa, que na maioria defendia a permanência do grupo, já vê com desconfiança.

Mas e a oposição? Prometeram uma chapa concorrente na próxima segunda-feira. A eleição pode trazer surpresas se tiverem uma proposta melhor do que criticar a situação e a imprensa.

O que dá a entender é que o Vila Nova está sem rumo.

Oposição e situação precisam vir à publico explicar o que querem.

Tem gente que era candidato em uma chapa e pulou para a outra. Outro desiste da candidatura à presidência. Um sai dizendo que não pisaria mais no Vila e aparece no outro dia como candidato no COF.

Aí me vem o tal grupo e contrata o Wando.

Daqui a pouco contratam o Luisão, zagueiro dispensado pelo ABC de Natal, que mantém a forma no Vila.

Um péssimo cartão de visitas para quem quer iniciar uma administração diferente dos desastres do passado.

Vai entender...